AULA 2: ESTOU GRÁVIDA! E AGORA? II

Enfa. Sílvia Filipe

Olá, o meu nome é Sílvia Filipe e sou enfermeira especialista em saúde materna e obstetrícia. Esta aula terá como foco as alterações emocionais e físicas e a adaptação da mulher à gravidez.

Iremos ainda aconselhar e sugerir algumas formas de ultrapassar estes momentos e ajudá-la a compreender e interpretar estas alterações de forma positiva e fisiológica.

A gravidez é um período de grande vulnerabilidade. Após a conceção a mulher sente uma série de alterações físicas e emocionais resultantes da produção aumentada de algumas hormonas que preparam o desenvolvimento de uma nova vida.

O corpo altera-se de forma espetacular para acolher o bebé e viverá emoções únicas preparando-a para a parentalidade.

Gravidezes planeadas e desejadas transformam a mulher num “estado de graça”, sendo que muitas mulheres sentem-se mais bonitas e aproveitam esta fase das suas vidas para reconhecer em si a continuidade.

Emocionalmente encontram-se com grandes variações resultantes de elevadas alterações hormonais e pelos pensamentos da responsabilidade de dar suporte ao desenvolvimento do seu filho, por isso existem muitas vezes sentimentos de ambivalência.

Algumas grávidas sentem necessidade de verbalizar a sua gravidez, enquanto que outras preferem guardar segredo por algum tempo.

Os sentimentos na grávida variam de:

  • grande felicidade e alegria pela gravidez, mas receio e preocupação de saber se está tudo bem com o bebé;
  • labilidade emocional fácil, ou seja, comovendo-se com imagens, histórias.

Com a confirmação da gravidez todo o apoio do companheiro, família e amigos são importantes para o bem-estar da grávida.

É importante acrescentar que as consultas pré-natais são uma excelente oportunidade para, criar uma relação de empatia com a grávida/casal, reforçar e valorizar as suas competências, clarificar as dúvidas e explicar o porquê de todas estas alterações emocionais ao longo da gravidez.

Para além das alterações emocionais existem uma serie de alterações físicas que a mulher terá de se adaptar. Estas alterações não são sentidas da mesma forma e com a mesma intensidade por todas as grávidas.

No primeiro trimestre surgem habitualmente as seguintes alterações:

  • cansaço e sonolência;
  • aumento do volume e sensibilidade mamária;
  • sensações de enfartamento, náuseas e ou vómitos matinais;
  • sialorreia – aumento de segregação de saliva;
  • aumento do corrimento vaginal esbranquiçado e sem cheiro;
  • necessidade de urinar com mais frequência.

No segundo trimestre algumas grávidas verbalizam:

  • azia, obstipação e flatulência (gases);
  • varizes e hemorroidas;
  • dores lombares;
  • cãibras;
  • alterações na pele – aparecimento de estrias no abdómen, mamas e nádegas, escurecimento da linha que vai do estômago até à região púbica, manchas na cara (cloasma), prurido mais intenso na barriga e mamas;
  • cansaço e alterações do sono;
  • gengivites e sangramento;
  • edema dos membros inferiores (pés e tornozelos) e membros superiores (mãos).

No terceiro trimestre intensificam-se alguns desconfortos do segundo e aumenta a frequência em urinar, aparecem contrações indolores, sensação de falta de ar e insónias.

As náuseas e vómitos são desconfortos que aparecem geralmente na primeira metade da gravidez. Geralmente, no princípio da gravidez, a grávida sente enjoos matinais, mas podem aparecer em qualquer altura do dia e acompanhados de vómitos. As medidas para minorar são:

  • fazer refeições ligeiras em locais arejados com intervalos de 2 horas, como torradas, bolachas de água e sal, ovos cozidos, ou pão integral;
  • evitar comida com gordura e optar por leite magro e carnes magras;
  • não ingerir comida muito condimentada, evitar chá, café e chocolate;
  • ingerir um pequeno alimento seco antes de sair da cama;
  • tomar um medicamento antiemético prescrito pelo médico - consiste num medicamento para o alívio dos sintomas relacionados com o enjoo, náuseas e vómitos;
  • evitar ambientes poluídos e cheiros fortes.

A azia é provocada pelo “relaxamento” da válvula muscular na entrada do estomago, que por ação do aumento de progesterona facilita a subida de conteúdo ácido do estomago para o esófago provocando a sensação de queimadura. Recomenda-se:

  • fazer refeições ligeiras com pouca gordura;
  • evitar alimentos açucarados;
  • adequar a posição ao dormir para semi-sentada com apoio de almofadas;
  • não utilizar roupas apertadas;
  • ingerir líquidos frios em pequena quantidade, como leite, iogurte ou chá de funcho;
  • tomar um medicamento antiácido prescrito pelo médico.

A obstipação acontece quando as fezes ficam duras e secas. A grávida para prevenir este desconforto deve:

  • beber bastante líquidos, nomeadamente água, cerca de 2 litros por dia;
  • aumentar a ingestão de alimentos ricos em fibra, como por exemplo, pão, arroz e cereais integrais, legumes e frutas frescas e secas especialmente ameixas e figos);
  • praticar exercício físico e fazer caminhadas.

Porque durante a gravidez é importantíssimo cuidar de si da melhor forma uma vez que está também a cuidar do seu bebé. Assim recomenda-se:

  • evitar o consumo de bebidas alcoólicas, tabaco e de drogas, uma vez que são prejudiciais tanto para a mãe, como para o bebé;
  • evitar tomar qualquer tipo de medicamento durante a gravidez, salvo se tiver sido prescrito por um médico;
  • cuidar da higiene pessoal, em especial:
    • saúde oral – tem direito a cheques dentistas;
    • aplicação de creme gordo no abdómen, mamas e ancas para evitar estrias.
  • utilizar roupa e sapatos confortáveis, que não tenham saltos, mas que também não sejam excessivamente rasos;
  • evitar estar sentada ou de pé e quieta muito tempo. Procurar não se levantar bruscamente;
  • ao levantar pesos é necessário baixar-se dobrando os joelhos, aproximar o objeto do corpo e levantá-lo lentamente com as costas direitas.

Durante a gravidez poderá fazer viagens de avião até às 32 semanas e em relação às viagens de carro nunca devem ser prolongadas.

Nunca deve esquecer da segurança rodoviária que consiste em:

  • colocar sempre o cinto de segurança, banda superior na clavícula entre os seios e a banda inferior sobre as ancas o mais baixo quanto possível, evitando a sua colocação no abdómen ou estomago e bem ajustado;
  • a distância do corpo ao volante do veículo deve ter 20 cm aproximadamente e deve regular o apoio da cabeça;
  • manter ancas e ombros alinhados evitando torções do tronco;
  • evitar viagens longas.

Em relação à atividade física recomenda-se caminhadas diárias, natação, desportos que não tenham grande impacto físico e que a grávida não corra riscos de acidentes.

Estes exercícios devem ser realizados de forma regular de forma a aumentar a resistência. Pilates e ioga são também modalidades benéficas, uma vez que é possível trabalhar força e flexibilidade.

Por hoje me despeço, conto consigo na próxima aula!

Material de apoio

© 2018 EP Health Marketing SL • Todos os direitos reservados